Carteira de Ações

domingo, 3 de maio de 2015

VASCO CAMPEÃO CARIOCA 2015!

Depois de 12 anos ou seja, desde o campeonato da letra do Léo Lima de 2003 que o Vasco não era campeão estadual, foram anos perdendo titulo com gol de impedimento aos 47 do segundo tempo, gols que entraram e o juiz de linha mesmo com a bola lá dentro, como aconteceu diversas vezes ano passado não deu o gol, enfim no último titulo de 2003 ainda estava na faculdade e 12 anos depois o primeiro titulo no Maracanã depois da Final do Mundial é muita emoção.

Só quem aprecia esportes e passa por um longo jejum desses pode entender a felicidade do dia de hoje, agora é esquecer essa fase com o Dinamite onde o Vasco fora de campo foi prejudicado inúmeras vezes e partir para conquistas maiores a exemplo do seu passado glorioso. 



domingo, 12 de abril de 2015

Barsi e a Eletrobras dois anos depois de comprar de pá

Em maio de 2013 Barsi fez a seguinte declaração:

 A maioria das empresas do setor de energia era negociada por mais do que o valor patrimonial, com exceção da Eletrobras. Aí veio a pres. Dilma e baixou o preço da energia sem consultar ninguém. Muitas empresas de energia passaram a ser negociadas por bem menos que o valor patrimonial. Eu fui á e comprei. Ao invés de fugirem do setor elétrico como fizeram, todos deveriam ter comprado mais. Eu comprei Eletropaulo e Eletrobras ON por causa de fatores técnicos, dados históricos e um retorno em dividendos mais interessante. Os outros fugiram por uma questão psicológica. Teve aquele analista do Barclays que disse que o preço justo da ação da Eletrobras era R$ 1,00. Eu estava rezando para que fosse a R$ 2,00, mas infelizmente não foi. Quando chegou a R$ 6,00, eu e muita gente compramos. Numa situação como essa, tem que ir lá e compra com a pá. Como toda a estrutura que possui, a Eletrobras chegou a ter um valor de mercado de R$ 12 bilhões, sendo que só a usina de Belo Monte vai custar R$ 25 bilhões. Então é ridículo o preço que se atribui a ela." 



Em abril de 2015:

A decisão da Eletrobras de suspender o pagamento de dividendos este ano provocou forte insatisfação dos minoritários da Eletrobrás, que ameaçam questionar a empresa na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) alegando má gestão. A empresa informou esta semana que, após registrar o terceiro ano seguido de prejuízo, não irá pagar dividendos nem juros sobre capital (JCP) aos seus acionistas este ano. A informação foi recebida com muito descontentamento pelos minoritários, que estão em conversação com advogados para moverem uma ação por má gestão.

De acordo com o Luiz Barsi Filho, um dos acionistas da Eletrobras e um dos maiores investidores pessoa física da Bovespa, os minoritários precisam reagir às decisões equivocadas que estão sendo tomadas pela empresa. “Não podemos, de maneira alguma, assistir toda esta incompetência que estamos vendo, acenando a cabeça com um sim. Nós temos direito a dividendos e estamos conversando com advogados sobre a possibilidade de entrar com um ação contra a má gestão da companhia junto a CVM”, diz.

Para Barsi Filho, a má administração pode ser intencional para justificar a antecipação de indenização junto a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). “A impressão que tenho é que fizeram o máximo para depreciar o balanço para justificar o pedido de mais de R$ 15 bilhões junto a Aneel”, diz. 


quarta-feira, 1 de abril de 2015

Ultrapar e Boas empresas no Brasil

Finalmente parece que o mercado começou a enxergar a Ultrapar, no ano até o momento a empresa teve valorização de mais de 30% como podemos ver abaixo:


     


Valorização Ano


UGPA3

▲31,10%





Mesmo em uma situação macroeconômica ruim para o País, a valorização de boas empresas como AMBEV e CIELO que fazem parte da minha carteira desde 2012, é prova que temos algumas poucas boas opções de investimentos. 

Outra situação que estamos começando a ver é a recuperação da Eletropaulo e certamente quem comprou na faixa dos 5 reais não tem do que reclamar até o presente momento e já abordei as questões que poderiam fazer a diferença na recuperação como a implementação do sistema de banda tarifárias e o próprio reajuste extraordinário que ocorreu nesse ano. 

O que fica claro é que o perfil psicológico e a paciência no longo prazo (uma tortura para maiores dos investidores no Brasil), além de uma boa seleção de empresas que tem marcas valiosas e serviço ou produtos essenciais para nossa sociedade, gerando lucros consistentes ou passando por situações extraordinárias mas mantendo uma governança corporativa consistente podem fazer a diferença na geração de valor para nós acionistas minoritários.

sexta-feira, 6 de março de 2015

Visto Americano para Italianos

Outra grande vantagens para os cidadãos italianos é sobre os vistos americanos de investidores e que estão limitados a alguns países por acordos comercias e abaixo uma matéria muito interessante falando sobre todos esses aspectos. Enfim a cidadania italiana abre portas não só na Europa mas nos Estados Unidos e Canadá, mostrando ser um grande investimentos para os descendentes que correm atras de regularizar a cidadania.

Vistos para Comerciantes & Investidores (Visas E1, E2)
Os vistos para Comerciantes e Investidores oferecem aos nativos dos países que fazem parte do Tratado de Comércio com os Estados Unidos (* ver em baixo a lista dos países) a oportunidade de trabalhar, dirigir e controlar um negócio que tenham estabelecido nos Estados Unidos.
Trata-se de um visto temporário ou de não- imigrante, e o Comerciante ou Investidor poderá renovar seu visto por um longo período enquanto a empresa estiver em operações. Destarte, devido a uma recente modificação na lei, as esposas de um Comerciante ou Investidor podem obter autorização de trabalho enquanto o “beneficiário principal” mantiver o seu status.
Um visto E-2 exige um investimento médio de US$100,000 a US$150,000. Já um investidor imigrante, e sob a categoria de investidor EB-5 (Green Card) deverá fazer um investimento de ao menos US$500,000 em um negócio novo, que deverá gerar no mínimo de 10 novos empregos de tempo integral.
Outra opção para investidores é visto categoria L-1. Mas, só após uma análise detalhada da situação que o cliente se encontra e do caso concreto é que se poderá determinar com certeza qual categoria de vistos de Investidor o cliente se enquadra. Esta análise deverá ser realizada por um advogado de imigração com experiência.
FAQ (Perguntas mais Frequentes)


  1. Como me qualifico como Comerciante para um visa E-1?
  1. Como me classifico como Comerciante para um visa E-2?
  1. A empresa comercial já deve existir e/ou o investimento deve ser feito antes da emissão do visto? No geral, é permitido abir um novo negócio?
  1. O que é uma quantia substancial?
  1. As “joint ventures” são permitidas?
  1. Quanto tempo pode um Comerciante ou Investidor permanecer nos Estados Unidos?
  1. Onde devo realizar o requerimento para o visto E-2/E-1?
  1. A esposa e filhos do requerente tem direito a vistos derivativos?
  1. A esposa de um detentor de visa E pode trabalhar? Os filhos dependentes E-2 podem estudar?
  1. Quais as nacionalidades que se qualificam para os vistos E?
  • O requerente tem de ser nativo do país com tratado de comércio.
  • O comércio internacional deve ser “substancial”; deve existir um volume comercial sustentável e contínuo.
  • O comércio deve se realizar principalmente entre os Estados Unidos e o país comerciante. Isso significa que mais de 50% do comércio internacional da empresa envolvida deverá ser entre os Estados Unidos e o país da nacionalidade do requerente.
  • Comércio significa a troca internacional de produtos, capitais, serviços ou tecnologia. O título dos itens tem de passar de um país para o outro.
  • O requerente deve estar empregado como diretor ou com capacidade executiva, ou possuir capacidade altamente especializada, essencial para a operação da empresa.
  • O investimento deve ser substancial, ou seja, suficiente para assegurar uma operação de sucesso da empresa. A porcentagem do investimento para uma empresa de baixo custo deve ser superior à porcentagem do investimento em uma empresa de alto custo.
  • O investimento deverá ser real e não especulativo.
  • O investimento não pode ser marginal. Tem de gerar rendimento significativamente maior que o necessário para manter o nível de vida do investidor e sua família ou deve ter um impacto econômico significativo nos Estados Unidos.
  • O investidor deve possuir o controle dos fundos e o investimento deve ser de risco, no sentido comercial. Empréstimos com garantias em relação ao ativo da empresa não serão contabilizados.
  • Um investidor deve vir para os Estados Unidos para desenvolver e dirigir a empresa. Se o requerente não for o investidor, este terá que estar empregado como diretor, executivo ou deverá possuir capacidade altamente especializada.


O termo “comércio” está definido para incluir as relações comerciais de produtos e comércio de serviços e tecnologia. Isto inclui bancos, seguros, transportes, turismo, comunicações, processamento de dados, publicidade, contabilidade, desenho e engenharia, consultoria de gestão, transferência de tecnologia e outros serviços mensuráveis que podem ser comercializados.
Sim. Você deve criar um novo negócio. Porém, para obter um E-2 ou E-1, você deve demonstrar que irá efetuar um investimento substancial ou que já o realizou. O negócio já deve estar estabelecido no momento do requerimento para o visto. Os investimentos, porém, podem ser futuros, desde que os fundos estejam irrevogavelmente ligados ao investimento, tal como numa conta paralisada apenas aguardando a  emissão do visto. Os fundos de investimento podem provir de outro país, incluindo os Estados Unidos, enquanto forem controlados pelo investidor requerente.
Note que o simples depósito do dinheiro em uma conta bancária e a apresentação do plano do negócio, normalmente não são suficientes para obtenção do visto.
Não existe um valor fixo o qual é considerado como “substancial”. Um valor substancial de capital constitui aquela soma, que é suficientemente ampla para assegurar o comprotimento financeiro do investidor para uma operação de sucesso da empresa calculado por meio de um cálculo de proporcionalidade. O teste de proporcionalidade compara a soma total investida na empresa com o custo do estabelecimento de uma empresa desta natureza ou a soma do capital necessário para comprar uma empresa já existente no mercado.
Normalmente será necessário um investimento mínimo de US$100.000,00, se bem que este valor pode ser reduzido no caso de um determinado negócio não exija tamanho investimento. Um investimento absolutamente mínimo esta entre US$50.000,00 e US$75.000,00, spara este tipo de negócio.
Cumpre ressaltar que são diversas Embaixadas Americanas que processam requerimentos E-2, e as mesmas parecem ter idéias diferentes do que deverá ser considerado um investimento substancial. Algumas preferem que haja um investimento mínimo de US$150,000 então o investidor deverá consultar um de nossos advgogados para se certificar se o investimento hora efetuado será suficiente para efeito de requisição de visto E.
Sim, desde que o investidor tenha o papel de “desenvolver e gerenciar” a empresa. O requerente deve estar em posição de controle da empresa através da posse de pelo menos 50% da empresa através de seu contrato social.
O requerente deverá ter o intuito de deixar os Estados Unidos após conclusão de suas atividades comerciais. Não obstante, os detentores de um visto E podem residir nos Estados Unidos enquanto preencherem os requisitos do visto E. Assim, uma estadia de prazo potencialmente indefinido é possível.
Tipicamente o requerente deverá requere-lo perante uma Embaixada dos Estados Unidos no país de sua nacionalidade ou onde possuem residência legal. É possível também obter um status E-2 ou E-1, nos serviços USCIS nos Estados Unidos para quem queira mudar seu status e já esteja em território americano, o que não é normalmente aconselhável pois, se o requerente deixar os Estados Unidos, terá a necessidade de submeter seu requerimento por escrito novamente na Embaixada local. A Embaixada dos Estados Unidos não considera a aprovação na mudança do status E-2. Isto é uma particulariedade no processo E-2/E-1.
Sim. A esposa e filhos com idade inferior a 21 anos se qualificam para os vistos derivativos do visto E fundamentados na qualificação do requerente principal. Não é necessário que tenham a mesma nacionalidade do detentor principal.
Sim. No seguimento de mudanças recentes na lei, a esposa dependente do visa E também tem permissão de trabalho nos Estados Unidos. Contudo, devem se inscrever para obter a autorização de trabalho quando chegarem aos Estados Unidos. Os filhos menores dos detentores do visa E também podem frequentar a escola sem necessidade de obter visto de estudante.
Argentina, Austrália, Áustria, Bélgica, Bósnia_Herzegovina, Canada, Chile, China, Colômbia, Costa Rica, Estónia, Etiópia, Filandia, França, Geórgia, Alemanha, Honduras, Irão, Irlanda, Itália, Jamaica, Japão, Jordânia, Coreia, Libéria, Eslováquia, Luxemburgo, Macedónia, México, Holanda, Noruega, Oman, Paquistão, Paraguiai, Filipinas, Eslovénia, Espanha, Sri Lanka, Suriname, Suécia, Suíça, Tailândia, Togo, Turquia, Reino Unido, Jugoslávia.
Bolívia, Brunei, Dinamarca, Grécia, Israel
Albânia, Arménia, Bangladesh, Bulgária, Camarões, Republica democrática do Congo, Republica do Congo, Republica Checa, Equador, Egipto, Grenada, Cazaquistão, Kyrdyzstan, Lituânia, Moldávia, Mongólia, Marrocos, Panamá, Polónia, Roménia, Senegal, Republica Eslovaca, Trinidad & Tobago, Tunísia., Ucrânia.


fonte: http://vistos-americanos.com/vistos-E2.html

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Conta de luz pode subir até 70% no Rio e em SP

Conta de luz pode subir até 70% no Rio e em SP e a Eletropaulo será que vai se recuperar? 

Conta de luz pode subir até 70% no Rio e em SP
Consumidores se adaptam para driblar alta de tarifas
POR BRUNO ROSA E ANDREA FREITAS
22/02/2015 6:00 / ATUALIZADO 22/02/2015 11:35
PUBLICIDADE


RIO - As contas de luz espantaram o consumidor este mês. Além do aumento do consumo por causa do uso do ar-condicionado para enfrentar o verão, a cobrança já inclui a bandeira tarifária, que gera um custo extra de R$ 0,03 a cada quilowatt-hora (kWh) consumido. E o valor a ser pago em fevereiro é apenas o presságio de um cenário ainda pior até o fim do ano. De acordo com consultorias do setor, quem mora no Rio de Janeiro e em São Paulo vai sofrer com uma alta de até 70% na conta da energia elétrica até dezembro. A estimativa é quase três vezes maior do que a projetada no último trimestre do ano passado, quando especialistas falavam em preços 25% mais salgados em 2015. Além da falta de chuvas e do uso da energia mais cara das termelétricas, o Sudeste vai arcar ainda com a tarifa maior de Itaipu, diante da forte alta do dólar.

VEJA TAMBÉM
INFOGRÁFICO O que verificar na fatura de luz
Alta da energia elétrica será vilã da meta de inflação este ano
Reduzir consumo será mais difícil que em 2001
Este mês, as contas no Rio já chegaram mais caras, com o reflexo do reajuste da Light, de 19,11% em novembro, e da implantação do sistema de bandeiras tarifárias, que começou a valer este ano e repassa ao consumidor o aumento no custo na geração de energia. Desde janeiro, foi adotada a bandeira vermelha, que indica um custo mais alto devido ao baixo volume de chuvas. A fatura de fevereiro já reflete esta cobrança integralmente. Por isso, o susto ao receber a conta de luz. Aos consumidores, a alternativa foi mudar hábitos para driblar os preços mais elevados.

AR-CONDICIONADO NO SHOPPING

É o que fizeram Karoline Cabral e Leonardo Spinola. O casal mora em um apartamento de dois quartos em Botafogo e passa o dia fora de casa, trabalhando. O susto foi grande quando a conta mais do que quintuplicou, saltando de R$ 53,68 em dezembro para R$ 291,58 em janeiro.

— Em janeiro, ligamos o ar uns 15 dias, à noite. Geralmente, minha conta custa R$ 40, R$ 60. Esperava pagar até R$ 200 por causa do ar. Mas a conta foi de R$ 291,58! Agora, a gente tem que pensar muito antes de ligá-lo. No nosso apartamento, bate sol da tarde. No fim de semana, vamos ao shopping, ao cinema, a lugares climatizados, saímos de casa para não ligar o ar — conta Karoline.

Nesse cenário, mesmo quem não tem o hábito de verificar o extrato mensal da conta de luz se assustou com o valor pago. Nas redes sociais, são frequentes as reclamações sobre o aumento do preço. Em geral, as pessoas sabem que a luz está mais cara, mas não entendem a cobrança e desconhecem a bandeira tarifária. E para gastar menos vale tudo: colocar a família para dormir num só quarto e ligar apenas um ar-condicionado, reduzir o uso do ferro elétrico e da máquina de lavar, trocar lâmpadas e até tomar banho frio.


A artesã Flavia Tadic mora com a irmã e a filha de 6 anos em uma casa de três quartos no Recreio. E nunca verificava a conta. Mas ficou chocada ao notar que a cobrança em débito automático passou de R$ 470,54 em janeiro para R$ 825,02 em fevereiro. Para evitar que a próxima conta seja tão alta, Flavia, que trabalha em casa, já mudou alguns hábitos. Mas acha que não há como reduzir muito mais:

— Antes, trabalhava com o ar-condicionado ligado. Agora, comprei um ventilador do tipo torre. Todas as luzes são fluorescentes ou de LED, as da parte externa só acendem quando está escuro. A roupa era passada três vezes por semana, agora, só uma. Mas não abro mão do ar-condicionado para dormir. Já mudei o que podia mudar. Acho que a única coisa que dá para fazer é desligar um boiler.

Flavia ressalta que os aumentos sucessivos, como a inclusão da bandeira tarifária e sua rápida elevação, dificultam o controle do consumo e a mudança de hábitos, já que a conta continua subindo.

PUBLICIDADE


A conta de luz do ator Gerson Ferreira, que geralmente é de R$ 400, ultrapassou R$ 800 em janeiro. Além de reduzir o uso do ar-condicionado, ele, a mãe e os dois irmãos descartaram um dos dois interruptores da sala, diminuindo o número de lâmpadas utilizadas. Também abriram mão do banho quente e diminuíram o uso da bomba da piscina.

Mas a forte alta na fatura de energia já verificada pelos consumidores é só o começo. O reajuste concedido às empresas nos últimos meses e a implantação do sistema de bandeiras tarifárias não foram suficientes para cobrir o rombo das distribuidoras, dizem as consultorias Safira, Thymos e Andrade & Canellas. Por isso, a partir do próximo mês, o valor da bandeira tarifária passará de R$ 0,03 para R$ 0,055 por kWh consumido. Na próxima semana, o governo vai definir os valores de reajustes extraordinários a serem concedidos às empresas e que devem começar a valer em março. Especialistas acreditam que o aumento extra será de, ao menos, 20%.

— Somando esses fatores, consumidores de estados da Região Sudeste, como Rio e São Paulo, terão um aumento até o fim deste ano entre 60% e 70% nas contas de luz em relação ao fim de 2014. No Brasil, a alta média deve oscilar de 45% a 50%. O Sudeste vai sofrer impacto maior porque, além da falta de chuvas e da geração de energia mais cara das termelétricas, a região recebe energia da usina de Itaipu, que, por causa da alta do dólar, teve aumento de 46% na tarifa no mês passado. Enquanto isso, a demanda por energia continua elevada, sobretudo, entre consumidores residenciais e comerciais — diz Ricardo Savoia, diretor da Thymos Energia.

FAIXA DE CONSUMO AFETA PREÇOS

Andre Crisafulli, presidente da Andrade & Canellas Energia, também reforça que o preço da eletricidade em Rio e São Paulo subirá entre 60% e 70% no ano. Ele diz que, apesar do aumento da energia que vem de Itaipu ser um agravante, a alta de 83% no valor da bandeira tarifária será mais prejudicial.

VEJA TAMBÉM
Você pergunta, nós respondemos: crise energética
Como driblar a alta da tarifa de energia
INFOGRÁFICO O caminho para poupar quase 50% por mês
Um atraso de R$ 4,9 bi: consumidor paga por energia de linha que não é usada
— Em relação aos reajustes extraordinários, vamos ter que aguardar como será feito o repasse desses aumentos. O governo deve informar os detalhes apenas na próxima semana. Na atual situação do setor elétrico, não há mais mecanismo que não seja repassar as altas para as tarifas, já que o governo não fará mais aportes via Tesouro — diz Crisafulli.

Segundo especialistas, o total do socorro às empresas do setor já chegou a cerca de R$ 60 bilhões. Desse montante, diz o presidente da Andrade & Canellas, R$ 40 bilhões serão repassados às tarifas.

— Na média, os aumentos no país ficarão perto de 50%. Sem chuvas em um volume suficiente, 100% das termelétricas continuarão gerando energia mais cara até 2016. O governo já deveria ter pedido à população para economizar, com campanhas de conscientização — ressalta Crisafulli.

Especialistas recomendam que o consumidor verifique mensalmente a conta. Acompanhar a evolução do preço unitário do kWh ajuda a identificar a alta do custo da eletricidade. Ficar atento à faixa de consumo é importante, pois ao mudar de patamar, a alíquota de ICMS a ser paga muda, varia de isenção a 29%. No Rio, a contribuição de iluminação pública também aumenta conforme o consumo.

— É preciso que o consumidor pare para pensar no próprio consumo. O ferro de passar e o chuveiro elétrico ainda são vilões — destaca a diretora de comunicação da Ampla, Janaina Vilella.

PUBLICIDADE


Fábio Cuberos, gerente de Regulação da Safira, diz que parte dos aumentos, além dos já previstos para este ano, é reflexo de erros cometidos em 2014, como adiamento da aplicação das bandeiras tarifárias, que entrariam em vigor em janeiro do ano passado, e empréstimos às concessionárias, que já enfrentavam problemas de caixa por causa do custo das termelétricas e da energia no mercado livre.

— A bandeira tarifária, criada em 2013, levou em conta um cenário que piorou no ano passado. O governo teve que rever o valor das bandeiras. Com a revisão extraordinária das tarifas, as estimativas mudaram — diz Cuberos, destacando que prevê alta de 54,7% nos preços de energia no Sudeste.

Enquanto as projeções de alta da tarifa disparam e o consumidor tenta driblar o aumento da conta de luz, o nível dos reservatórios de hidrelétricas continua baixo, segundo o Operador Nacional do Sistema: 19,17% em Sudeste/Centro-Oeste, 16,65% no Nordeste, 48,45% no Sul e 36,97% no Norte.



Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/economia/conta- ... z3SUFh0UBJ 
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Vantagens da dupla cidadania italiana

Vamos as principais vantagens de ter a dupla cidadania italiana, tem um post inclusive que falo de um benefício financeiro específico para os italianos que vivem fora da Itália e que voltam a estudar em suas universidades.

O fato é que a dupla cidadania abre grandes oportunidades e vamos a elas:



Principais vantagens:

Ao tornar-se cidadão italiano, você poderá ali residir pelo tempo que quiser, e desfrutar plenamente dos mesmos direitos e obrigações de quem é natural, quanto à moradia, trabalho, estudo, política (progressiva), lazer, assistência médica, etc. Terá direito inclusive a aposentadoria, depois de atendidos os requisitos legais (trabalho registrado, pagamento de contribuições, tempo de serviço, etc.).
Você terá os mesmos direitos que o Europeu para votar, comprar casa, ajuda desemprego, contas bancárias, abrir firmas, negócios, business, mercados e muito mais além de não precisarem de visto de entrada e saída dos países da comunidade.
Você simplesmente tem todos os direitos que um cidadão italiano, pois, você com a cidadania, também é um italiano.
A sua cidadania também poderá ser transmitida aos seus descendentes.

Vantagens para o Trabalho:

Ser um cidadão com dupla nacionalidade traz alguns benefícios e facilidades, como a garantia de emprego legal sem a necessidade de trâmites burocráticos. Você poderá trabalhar em todos os estados membros da União Europeia.
No mercado de trabalho, a dupla cidadania pode ser um diferencial no currículo, pois a pessoa com experiência em viagens e em assuntos internacionais transmite conhecimento e cultura.
Trabalhar como Livre Profissional na União Europeia se convalidou o título de estudo, diploma universitário, doutorado, master, etc.

Vantagens nas Fronteiras e Residência:

Lembro-lhe também que de acordo com a Lei europeia (União europeia) as fronteiras dos países pertencentes à comunidade deixaram de existir virtualmente. Isto significa que como cidadão italiano, é lhe conferido o direito a residir em qualquer um dos outros 27 países da União Europeia.
Há possibilidade de fixar residência sem a necessidade de vistos e não tem limite de permanência. O direito de livre circulação de pessoas, envolve o Tratado de Schengen.

Vantagens nas Universidades:

A nacionalidade é muito almejada por jovens que planejam estudar na Europa. Integrantes da União Europeia têm acesso facilitado a universidades, que através de descontos podem custar até três vezes menos para cidadãos europeus.
Os estudantes poderão ainda, usufruir das bolsas de estudo oferecidas aos cidadãos italianos pelo Estado Italiano, por outros Estados ou por Organizações internacionais, Fundações, etc.

Vantagens nos Concursos:

Participar dos concursos públicos italianos (universitários, municipais, provinciais e regionais); concurso diplomático; concursos das academias militares italianas; concursos de organizações internacionais (UNESCO, NATO, OCDE, UE, Conselho da Europa, Parlamento Europeu) e concursos universitários Europeus e Italianos.

Vantagens nos Aeroportos e Vistos:

A dupla cidadania facilita a vida e a locomoção dos viajantes na entrada e saída dos países que integram a União Europeia.
A rapidez no check-in alfandegário é certo, adeus a filas - Quem já foi para a Europa sabe. Ao chegar a qualquer um de seus aeroportos, cidadãos com o passaporte italiano à mão ingressam em uma fila diferenciada, por onde passam sem delongas e livres de interrogatórios. Estrangeiros são obrigados a responder a diversas perguntas sobre duração e motivo da viagem, além de muitas vezes ter que passar por constrangimentos e ter que demonstrar renda suficiente para permanência.

Vantagens na obtenção do Visto para os EUA:

Os EUA, que mantêm estreitas relações com a União Europeia, não exigem dos detentores do passaporte da Comunidade Europeia o visto de entrada para o país. Na alfândega americana, os visitantes são divididos em americanos, europeus, e "outros".
Portanto, viajantes portadores de passaporte Italiano não precisam de visto para entrar nos EUA para viagens a turismo ou negócios com permanência de até 90 dias, pois a Itália faz parte do Visa Waiver Program (Programa de Isenção de Visto) que é um programa do governo americano que permite a portadores de passaporte de 34 países ingressar nos Estados Unidos com mais facilidade.
Entretanto, viajar para os Estados Unidos (destino preferido dos brasileiros) sem a necessidade de tirar qualquer tipo de visto tem sido responsável por um aumento no número de pedidos para obtenção de dupla cidadania por descendentes italianos residentes no Brasil.
Além dos EUA, quem possui a cidadania europeia pode viajar para algumas nações que não fazem parte da comunidade, como Japão, Canadá, dentre outros, sem precisar de vistos.

Vantagens na Guerra e Revolução:

Em caso de revolução, conflito ou guerra no Brasil, os que possuem cidadania italiana são protegidos pelas leis internacionais e pela Comunidade Europeia.

Vantagens nos Comitês:

Votar nas eleições e ser tutelado pelos COMITÊS, podendo apresentar ao mesmo suas queixas e observações sobre os desserviços consulares.

Vantagens nos Direitos:

Direito cívico de votar ativa e passivamente nas eleições políticas, administrativas e referendarias; direito a transparência; direito de proteção diplomática e de proteção de dados.

Vantagem na Assistência:

O cidadão residente no exterior que volta temporariamente para Itália, tem direito à assistência sanitária gratuita oferecida pelo serviço sanitário nacional (SSN).

Vantagens da cidadania na União Europeia:

O conceito de cidadania da União não substitui, mas se soma àquele de cidadania nacional.
Ela é subordinada à cidadania de um Estado membro. Portanto é considerado cidadão da União qualquer um que possua a cidadania de um Estado membro.
Além dos direitos e deveres previstos pelo tratado institucional da Comunidade Europeia, a cidadania da União comporta os seguintes direitos específicos: direito de circular e permanecer livremente no território da União; direito de voto e de elegibilidade nas eleições municipais e do Parlamento europeu, no Estado onde ele reside; tutela diplomática e consular por parte das autoridades de qualquer Estado membro, quando o Estado do qual o sujeito é cidadão não esteja representado num país terceiro; direito de petição e de recurso ao mediador europeu.


segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Julgamento da cidadania italiana

Nesse final de semana tiver a melhor notícia dos últimos anos, pouco mais de 1 ano do falecimento do homem mais importante e mais honesto que eu já conheci na vida que foi meu querido avô, graças a ele e de todo trabalho desses últimos meses a justiça italiana declarou que eu e minha família somos italianos. 

Com a dupla cidadania, eu tenho todos os direitos e deveres de todos os cidadãos da comunidade européia e para o cidadão italiano em especial, temos direito de cursar doutorado na Itália com uma boa ajuda de custo, inclusive falei em um post que é um dos mais visto e esta ao lado. 

Vou iniciar um curso de cultura e da língua italiana para absorver todos conhecimentos da história e da cultura desse importante país que é fonte das mais belas artes, de uma gastronomia fantástica, dos esportes, de marcas espetaculares como Ferrari e Armani e de várias contribuições para o mundo no campo da economia, física, química e medicina, vencendo vários prêmios nobel. 

Pretendo também estudar o mercado de ações europeu visando investimentos no futuro e para diversificação do meu portfólio de empresas. Temos excelente marcas na Itália e podemos inclusive comprar ações da Juventus de Turim por exemplo. 

Enfim a sensação é maravilhosa e não consigo expressar em palavras essa felicidade e agradeço em especial minha advogada e meu avô que certamente me ajudou em cada etapa da realização desse sonho.